SUÍÇOS
DO BRASIL

BRASIL

SUÍÇOS
DO BRASIL

SUÍÇA
BRASIL

Marie Louise Nery

Berna, Suíça
1924–2020

 

Marie Louise Nery, considerada a primeira mulher carnavalesca do Rio de Janeiro, era uma grande artista plástica e professora suíço-brasileira. Durante meio século dedicado à arte e ao ensino, circulou livremente entre as Artes Plásticas, Teatro, Cinema, Televisão, Literatura e esbanjou criatividade no Carnaval, além de formar profissionais em dois grandes centros de referência universitária das artes plásticas durante 30 anos em suas aulas na Escola de Belas Artes da UFRJ e no Centro de Letras e Artes da UNI-RIO.

Marie Louise Nery nasceu em Berna, Suíça, no dia 31 de maio de 1924. Frequentou a Escola Técnica de Ofícios e a Escola de Belas Artes Utilitárias Baú, em Berna. Conheceu ainda em Neuchâtel, na Suíça, o pernambucano Dirceu Nery, cenógrafo e aderecista. Foram casados no Brasil e juntos destacaram-se, principalmente, na técnica teatral em teatros do Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Recife e no Carnaval carioca. Da paixão nasceu uma dupla fundamental para o carnaval e o teatro do Rio de Janeiro.

Naquela época, as escolas de samba não tinham barracão. Marie Louise subia o morro e ia ensinar costureiras e aderecistas a confeccionar as fantasias. E assim foi de 1959 a 1968, alternando trabalhos entre o Salgueiro e a Portela. Marie Louise foi homenageada pelo Salgueiro no desfile de 2003, quando a escola cantou seus 50 anos de fundação na Sapucaí.

Ela também fez grandes trabalhos na TV, como os 150 figurinos de bichos da primeira versão do “Sítio do Picapau Amarelo”, entre 1977 e 1986, uma co-produção da TV Globo e da TV Educativa.

A figurinista ainda participou de exposições no Museu de Arte Moderna (MAM) e escreveu livros sobre a indumentária e conquistou prêmios importantes no teatro, como Saci (1962) e Molière (1964).

De tanto que se adaptou à cidade do Rio de Janeiro e à sua efervescência cultural, naturalizou-se brasileira.

Marie Louise Nery faleceu em maio de 2020, aos 95 anos de idade.